Câmara de Almada aposta em quintas biológicas












A Câmara de Almada, na margem sul do Tejo, prevê criar uma quinta biológica em resposta às muitas hortas comunitárias que se multiplicam já no concelho. O objetivo é não só combater alguma da ocupação abusiva dos terrenos mas apostar na produção, formação e partilha de boas práticas.

De acordo com notícia avançada pela TSF, parte da quinta biológica será explorada pela Câmara e outra parte será atribuída através de candidaturas pessoais por parte da população.

"É importante que as pessoas se apropriem [dos terrenos]. Agora, há uma verdade incontornável, uma das zonas de maior potencial agrícola do nosso concelho, da Sobreda e da Charneca, é um sistema muito irrigado por valas e linhas de água o que teve a ver com a ocupação abusiva das pessoas", explicou Catarina Freitas, diretora do departamento de estratégia e gestão ambiental da autarquia.

"E trata-se de um território que podia ter outra função e paisagem", concluiu a responsável pelo projeto.

Um estudo da Universidade do Minho sobre hortas urbanas em Braga, mostra que é preciso escolher bem as espécies que são cultivadas porque há algumas que absorvem mais poluentes e metais pesados que tornam-se perigos para a saúde.





Partilhar

Comentários