Uma forma sustentada de viver na cidade



Quem não gostaria de abandonar o décimo quarto andar do prédio onde habita por apenas 5 minutos para vir colher uma alface à horta que cresce viçosa ali ao lado? Poucas pessoas o conseguem fazer, mas no mundo urbano há cada vez mais um maior número de pessoas que o faz, simplesmente porque cultivam uma pequena horta no sopé do prédio onde habitam.


Em Portugal o número de pessoas que praticam uma agricultura urbana sustentada ainda é muito residual, mas a Organização para a Agricultura e Alimentação das Nações Unidas (FAO) estimou que em 1998, em todo mundo, cerca de 800 milhões de pessoas praticassem a designada agricultura urbana, o que representa 15 por cento de toda a produção de alimentos actualmente processada a nível do nosso planeta.

Na Índia, um dos países mais populosos do mundo, as hortas urbanas desempenham já uma importância crucial nas economias familiares, encontrando os habitantes da superlotadas cidades locais o alimento suplementar de vegetais e frutos em pequenas hortas que são cultivadas junto dos bairros residenciais.

O fenómeno das hortas urbanas não é recente e acompanhou o processo de industrialização e urbanização crescente a que a Europa foi sujeita desde o séc. XVIII. Foi nos países da Europa do norte que a actividade se expandiu, principalmente a partir de meados do século XIX. A Alemanha e a Dinamarca foram e continuam a ser os dois países pioneiros neste tipo de agricultura urbana.

Em Portugal o fenómeno foi sempre muito residual, mesmo nos principais centros urbanos como Lisboa e Porto, principalmente por serem duas cidades com baixos índices de industrialização e porque até há poucas décadas atrás estavam marcadas por um ambiente rural que se quedava muito próximo do tecido urbano propriamente dito.

A asfixia dos bairros residências, o crescimento desordenado que com maior ou menor intensidade se processou nos corpos urbanos das nossas cidades, mesmo nas de menores dimensões, comummente designadas como cidade de província, levou ao aparecimento de alguns exemplos, embora sempre muito residuais, de hortas urbanas.

A actividade, diga-se, também nunca foi muito apoiada pelo poderes políticos instituídos. Gonçalo Ribeiro Telles, um conhecido arquitecto paisagista do nosso país, e uma das principais vozes que defende a instalação de hortas familiares nas grandes cidades faz questão de sublinhar que, por exemplo, na Alemanha «uma pessoa jovem recebe, não dinheiro para cultivar, mas sim capital para se instalar; geralmente, esse jovem é adoptado ou adopta um casal de idosos, vai viver na sua propriedade, e faz o que esse casal costumava fazer no que respeita à agricultura». Esta é uma forma eficaz de transmitir os saberes dos mais velhos para os mais novos, ao mesmo tempo que existe uma clara compensação social ao promover este convívio inter-geracional.

Se nos debruçarmos sobre a realidade portuguesa deparamos ainda com uma incipiente e tímida experiência neste domínio. Ribeiro Telles radica o ainda pobre movimento da agricultura urbana em factores de ordem sociológica e mental. Diz o arquitecto que actualmente, na actual conjuntura sociológica, «as pessoas que estão instaladas na cidade nunca iriam aceitar essa mudança para o ambiente rural» porque, frisa o arquitecto, «em Lisboa, as pessoas estão convencidas que a paisagem urbana tem de ser constituída por prédios, e que o resto simboliza um atraso», sublinha.

Contudo, o fenómeno começa a ser perceptível, com maior ou menor intensidade, em diversas cidades portuguesas. Cada vez mais o poder local concebe estes espaços de agricultura familiar como uma forma sustentável de gerir a malha urbana, uma vez que permite multiplicar e fazer proliferar mais espaços verdes sustentados directamente pelos habitantes, uma requalificação mais abrangente da paisagem urbana e a redução de emissões químicas nocivas para o ambiente.

Os novos adeptos das hortas urbanas são geralmente pessoas ligadas a uma infância passada no campo; pessoas que têm a necessidade económica de complementar com um recurso extra o abastecimento de frutos e vegetais da unidade familiar; ou ainda pessoas com altas preocupações ecológicas e ambientais e mesmo sociais, uma vez que a horta urbana poderá constituir-se como um excelente instrumento para fomentar projectos de inclusão social, sendo, simultaneamente, susceptível de desenvolver entre os cidadãos uma sólida consciência ambiental.

Nos últimos anos deram-se passos muito interessantes do domínio das hortas urbanas. Surgem projectos em Lisboa como as conhecidas hortas da Quinta da Granja, Vale Fundão e Bairro Padre Cruz e a criação de hortas novas em Campolide e Telheiras, só para citar as mais conhecidas.

No Grande Porto está em desenvolvimento o projecto “Horta à Porta” que integra espaços comunitários para cultivo biológico de vegetais e frutos e que já tem centenas de pessoas em lista de espera para aderirem ao projecto.

Em Coimbra, o Departamento de Habitação da Câmara Municipal desenvolveu em colaboração com a Escola Superior Agrária de Coimbra, o projecto "Hortas do Ingote". Este projecto teve início em 2006 e contemplou a atribuição de 25 talhões, cada um com uma área aproximada de 150 m2, a moradores que, após uma vida activa distante do cultivo da terra, assumem hoje o papel de agricultores urbanos.

Outros exemplos poderiam ser citados como o caso promissor de Ponte de Lima.

Em Trás-os-Montes, o projecto de maior relevância é o que está ser desenvolvido pelo Instituto Politécnico de Bragança (IPB). As “Hortas de Lazer” são cultivadas por pessoas que habitam na cidade capital do Nordeste Transmontano, e que têm a possibilidade de poderem alugar um talhão ao IPB pela módica renda anual de vinte euros. A única exigência ou contrapartida é o compromisso de promoverem e praticarem uma agricultura sustentável, sem recurso a químicos, sejam eles fertilizantes ou pesticidas.

Pensa-se que o fenómeno das hortas urbanas possa crescer de forma exponencial nos próximos anos, tendo em conta os problemas económicos e financeiros que caracterizam a actualidade e, por outro lado, os medos cada vez mais crescentes em consumir produtos hortícolas de crescimento padronizado e sujeitos a padrões e lógicas de produção altamente formatados.





Partilhar

Comentários

  1. INVESTIMENTO PESSOAL rápido, fácil e fiável:
    Vocês que têm problemas financeiros, vocês que tem necessidade de investimentos não faz mais preocupações. Tinha necessidade de um investimento pessoal para uma empresa familiar. De acordo com as minhas investigações sobre o nítido a fim de obter um empréstimo em linha, caí sobre uma mulher de negócio portuguesa de boa vontade e boa fé a Sra. ANA CASEIRO (anacaseiro434@yahoo.pt) que concedeu-me um investimento (crédito) de 120.000 EUR por transferência bancária sem nenhum problema e sem nenhum protocolo após ter respeitado as suas condições. Continua sempre ajudar as pessoas que têm problemas financeiros e permite-lhes resolver os seus problemas. Faço este testemunho porque é graças à Sra. ANA CASEIRO que pude realizar o meu projeto. Se tiver problemas financeiros e que tem necessidade dos seus serviços contactam lá rapidamente a fim de encontrar solução aos vossos problemas.Pode contactar-o pelo seu email: anacaseiro434@yahoo.pt

    ResponderEliminar

Enviar um comentário