Somos amistosos e curiosos, inteligentes e irreverentes, engraçados e atarefados, brincalhões e trapalhões, optimistas e saudosistas, pensativos e cognitivos, ingénuos e ténuos, divertidos e vividos, sabichões e amigalhões, honestos e lestos, vaidosos e afectuosos, empenhados e assanhados, extravagantes e acutilantes, compreensivos e objectivos, sociáveis e admiráveis, distraídos e agradecidos, orgulhosos e atenciosos, pacatos e sensatos. Mas... o que gostamos mesmo... é do Movimento Novos Rurais!

domingo, 10 de julho de 2011

Telhado ecológico – Que tal levar um pouco de verde para o telhado de sua casa?

Atualmente, um dos maiores problemas das grandes cidades é a impermeabilização do solo: o costume de asfaltar todas as ruas e cimentar todos os pátios e praças gera ilhas de calor (por conta do aquecimento) e enchentes, pois a água da chuva não consegue penetrar no solo, alagando rapidamente bairros e até cidades inteiras.



Além do aumento de arborização nas ruas e praças e do uso de asfalto mais permeável como o bioasfalto, a colocação de telhados verdes nas casas e edifícios pode aumentar muito a qualidade de vida urbana, pois:
  • não custam mais que um telhado convencional,
  • purificam o ar,
  • diminuem a velocidade de escoamento das águas pluviais,
  • retém a chuva, auxiliando na drenagem urbana,
  • aumentam o conforto térmico e acústico da edificação e
  • auxiliam no resfriamento do ar, tanto externo (atenuando as ilhas de calor urbanas) como interno (diminuindo o uso de aparelhos de condicionamento de ar).




Para instalação do telhado verde, recomenda-se contratar uma empresa especializada. Pode-se fazer numa nova edificação ou nas existentes, substituindo as telhas cerâmicas. O peso que é decarregado na estrutura é praticamente o mesmo dos telhados convencionais, não encarecendo a obra: um metro quadrado de telhado verde custa cerca de 120 reais.




  • Membrana à prova d’água (para impermeabilizar) – lona vinílica, manta plástica, etc.;
  • Camada de drenagem (para reter e drenar a água) – brita, cacos de telhas, refugos da indústria cerâmica, etc.;
  • Solo ou substrato (para absorver a água e dar nutrientes para a vegetação) – terra do próprio local;
  • Cobertura (para impedir a erosão) – serragem, fibras de côco, refugos da indústria madereira, etc.;
  • Vegetação
Recomenda-se utilizar plantas de porte baixo, raízes não profundas, crescimento lento e que não necessitem de muita manutenção. O ideal é utilizar plantas nativas ou que já estejam adaptadas ao clima local. No Brasil, as mais indicadas são as seduns, que resistem bem às intempéries, e as menos indicadas são as gramíneas comuns, por crescerem muito e necessitarem de constantes cuidados.




Além disso tudo, a cidade ainda fica mais bonita! Não seria bem melhor vermos muito verde ao invés do cinza usual de nossos centros urbanos?


Por: Vanessa Mendes Argenta


Sem comentários:

Enviar um comentário