Somos amistosos e curiosos, inteligentes e irreverentes, engraçados e atarefados, brincalhões e trapalhões, optimistas e saudosistas, pensativos e cognitivos, ingénuos e ténuos, divertidos e vividos, sabichões e amigalhões, honestos e lestos, vaidosos e afectuosos, empenhados e assanhados, extravagantes e acutilantes, compreensivos e objectivos, sociáveis e admiráveis, distraídos e agradecidos, orgulhosos e atenciosos, pacatos e sensatos. Mas... o que gostamos mesmo... é do Movimento Novos Rurais!

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

O burro e as galinhas regressaram à aldeia da Pedralva



Recuperar casas no interior pode ser uma "ideia gira", mas em termos financeiros trata-se de um "investimento solitário", sobretudo quando a aposta é o turismo de natureza. A avaliação é feita por António Ferreira, que partiu do Estoril para o Algarve há cerca de cinco anos, para reabilitar a aldeia da Pedralva, no concelho de Vila do Bispo.


Os quatro milhões de euros que precisou para investir no projecto, só foram obtidos dando como garantia "outros bens" pessoais. "Toda a gente acha a ideia muito gira, mas depois..." O turismo, na opinião do empresário, é uma actividade "muito padronizada" e quando aparece alguém com uma ideia "criam-se obstáculos" à inovação. Neste caso, a Câmara de Vila do Bispo foi uma excepção: "Investiu cerca de um milhão de euros nas infra-estruturas - águas, esgotos, calçadas e os cabos de electricidade foram passados para debaixo do chão". Já no que toca a incentivos de outras entidades oficiais, queixa-se, "seguem o que está standarizado".

A aldeia dispõe de 27 casas recuperadas para aluguer, prevendo-se que no próximo ano sejam reabilitadas mais três. O turismo de natureza na Europa, salienta António Ferreira, "representa um mercado 22 vezes superior ao golfe". São estes os números que o fazem acreditar que esta área de negócio tem potencialidades.

O Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, onde a aldeia se integra, é considerada a "jóia" que puxa os turistas da praia para serra, mas a oferta não se fica pelas belezas naturais. O projecto permitiu a reabertura da velha mercearia da Pedralva, o forno de pão comunitário está recuperado, e a vida campestre foi reinventada - este é o quadro que é apresentado aos turistas que procuram a simplicidade, em contraponto à sofisticação da oferta dos resorts com SPA e campos de golfe.

Apesar das dificuldades, António Ferreira, com formação na área do marketing e publicidade, mostra-se satisfeito. "Valeu a pena, mas não tem sido um trabalho nada fácil", adverte. No princípio levou ano e meio em negociações para adquirir as habitações. "Essa foi a parte mais difícil", recorda. Num dos casos, revela, "uma casa tinha 27 herdeiros, e tive de falar com todos". Pedralva, tal como sucedeu na maior parte das aldeias, viu partir os antigos moradores, mas agora vê chegar os turistas de muitas partes do mundo, em busca das histórias da terra que já só tem seis habitantes dos antigos.

Em Sagres, a 15 quilómetros de distância, a realidade é outra - o turismo desenvolve-se em modos clássicos. "Aqui, não podemos só vender camas", nota António Ferreira, acrescentando que a aldeia que reinventou "trouxe de volta o burro e as galinhas". Vila do Bispo, Aljezur e Monchique formam o triângulo do turismo de natureza que pretende proporcionar e dar a conhecer experiências de vida distantes de quem vive nas grandes cidades.

Na serra do Caldeirão, seguindo o caminho dos antigos almocreves do Algarve para o Alentejo, encontram-se dezenas de aldeias abandonadas, idênticas à de Pedralva. Barrigões, na freguesia de Salir, é um desses casos, habitada apenas por uma pessoa, quando no passado relativamente próximo contava 20 moradores. Não muito longe, Cabaça, aldeia com 20 casas, está completamente em ruínas. Na mesma zona, Serradinhas, antigo núcleo habitacional de 15 famílias, só conta com um resistente. Em Monchique, na encosta norte da Fóia, a aldeia de Barbelote tem sete casas em ruínas. Já no concelho de Alcoutim, perto do Guadiana, a aldeia de Ferrarias, por onde passa a Via Algarviana, tem oito habitações, mas só uma está ocupada.



Via:Por Idálio Revez / Público

1 comentário:

  1. Voces falam muito bem com esta publicidade mas este senhor apresenta outros factos:
    A verdade sobre o falido empresário António Ferreira lê-se na sua contabilidade, acessível publicamente em:

    https://www.portaldaempresa.pt/CVE/IES/ElaborarPedido.aspx

    NIF Pedralva Surf Hotels LDA: 507624661

    Resumo:

    Vendas 2012: €0
    Perdas acumuladas: €1.000.000
    Dívidas: €2.000.000

    ResponderEliminar