Somos amistosos e curiosos, inteligentes e irreverentes, engraçados e atarefados, brincalhões e trapalhões, optimistas e saudosistas, pensativos e cognitivos, ingénuos e ténuos, divertidos e vividos, sabichões e amigalhões, honestos e lestos, vaidosos e afectuosos, empenhados e assanhados, extravagantes e acutilantes, compreensivos e objectivos, sociáveis e admiráveis, distraídos e agradecidos, orgulhosos e atenciosos, pacatos e sensatos. Mas... o que gostamos mesmo... é do Movimento Novos Rurais!

sexta-feira, 1 de Março de 2013

Rui Rodrigues, 36 anos: o publicitário que virou agricultor


Era publicitário mas há seis anos decidiu tirar uma pós-graduação em Ecoturismo, para uma eventualidade. Trabalhava numa agência em Lisboa e mal via a família, até que um dia se deu o clique: «Foi na altura da greve nas gasolineiras. Ia ter uma reunião no Porto e não havia gasóleo. Eu até tinha o carro atestado mas lembro-me de a minha mulher me ligar a dizer que já não havia frescos em Lisboa. Na altura tinha uma filha de meses e pensei: ‘Sou muito criativo, muito criativo, mas então e comida no prato?’. E resolvi mudar».

Começou com um terreno com oito hectares, fez um estudo de impacto ambiental porque a herdade que comprou no Rogil (Aljezur) estava dentro de um parque natural, fez um levantamento de fauna e flora, mais outro de taxa de ocupação e a partir daí começou a preparar as áreas de cultivo.
Dos oito hectares, três são só para salvaguardar a fauna e flora e os restantes cinco para agricultura: dois de hortícolas, dois de frutícolas e um de uva de mesa e morango. «Hoje tenho três colaboradores mas quando comecei, comecei sozinho. Perdi 17 quilos em quatro meses!».

O negócio, a que deu o nome Herança Rural, foi crescendo e Rui começou a vender cabazes com os seus produtos biológicos – no início a amigos. «Por semana entrego entre 40 e 60 cabazes. Mas clientes tenho 120!», e tudo em apenas um ano. Mesmo assim, acredita que continua a comer-se mal em Portugal porque as pessoas continuam a preferir ir ao supermercado comprar coisas que não são da época e que vêm de fora a comprarem «o que é nosso, o que é bom e o que é apanhado no dia antes».

«Não faço os cabazes ao quilo porque o conceito de quilo no biológico não faz sentido nenhum. Mas consigo ter, no mínimo, 13 legumes diferentes por semana». O sucesso está comprovado. Rui está no Rogil, de terça-feira a sábado, onde apanha os legumes que distribui em Lisboa – e arredores – ao domingo e à segunda-feira. Os preços variam entre 10 e 20 euros. «O meu cabaz de 20 euros dá perfeitamente para quatro pessoas comerem durante uma semana».

E acrescenta: «Temos que fazer um refresh à nossa mentalidade, à nossa postura, à nossa maneira de estar na vida. Uma couve sabe bem no Inverno, um feijão verde sabe bem no Verão... Isto tem tudo a ver com fazermos uma alimentação saudável, sem enganar as próprias plantas», conclui.
 Para o futuro, planeia construir um ecoturismo mas até ao final do Verão está envolvido no processo de exportação de 240 toneladas de abóbora e 100 toneladas de batata doce para Alemanha, Espanha, Itália e França. «E não houve um único banco que me ajudasse, fundos comunitários, apoios da câmara ou da junta. Nada».

Patrícia Cintra (texto) e Miguel Silva (fotografia)

2 comentários:

  1. PARABÉNS. ESPERO FAZER ISSO EM BREVE TAMBÉM AQUI NO BRASIL. ABRAÇOS!

    ResponderEliminar
  2. INVESTIMENTO PESSOAL rápido, fácil e fiável:
    Vocês que têm problemas financeiros, vocês que tem necessidade de investimentos não faz mais preocupações. Tinha necessidade de um investimento pessoal para uma empresa familiar. De acordo com as minhas investigações sobre o nítido a fim de obter um empréstimo em linha, caí sobre uma mulher de negócio portuguesa de boa vontade e boa fé a Sra. ANA CASEIRO (anacaseiro434@yahoo.pt) que concedeu-me um investimento (crédito) de 120.000 EUR por transferência bancária sem nenhum problema e sem nenhum protocolo após ter respeitado as suas condições. Continua sempre ajudar as pessoas que têm problemas financeiros e permite-lhes resolver os seus problemas. Faço este testemunho porque é graças à Sra. ANA CASEIRO que pude realizar o meu projeto. Se tiver problemas financeiros e que tem necessidade dos seus serviços contactam lá rapidamente a fim de encontrar solução aos vossos problemas.Pode contactar-o pelo seu email: anacaseiro434@yahoo.pt

    ResponderEliminar