Fast food: os seus perigos e como os reduzir

Todos nós já ouvimos falar do mal que faz à saúde consumir fast food, mas quais os seus verdadeiros riscos? Será possível fazer escolhas saudáveis num restaurante de fast food?


fast food, também conhecida como “comida de plástico” ou “comida de conveniência”, é barata, cómoda, conveniente e, para muitos de nós, sabe bem de mais e, num mundo acelerado como o dos dias de hoje, estas são qualidades que contribuem para que a fast food se torne tão presente e enraizada nas vidas de tanta gente. Contudo, nem tudo são benefícios…Pelo contrário, “o barato” pode realmente “sair caro”…
Infelizmente, uma só refeição de fast food pode conter calorias, sódio e gordura suficientes para um dia inteiro ou mais e consumir fast food regularmente pode conduzir a vários problemas de saúde.
Pode ser difícil resistir à tentação de comer algo rápido e barato, contudo, pode optar pelas escolhas mais saudáveis e, assim, aproveitar à mesma o preço e a conveniência dos restaurantes de fast food.
Fast food: os seus perigos e como os reduzir
Afinal, quais os riscos da “comida de plástico”?
fast food está carregada de calorias, em especial, açúcar refinado e gorduras saturadas que bloqueiam as artérias. Este tipo de comida contém também bastante sódio, proveniente do sal e de outros aditivos. Para além disto, a fast food é ainda pobre em fibras e micro nutrientes fundamentais, como vitaminas e minerais. A juntar a isto, e para piorar a situação, muita desta comida é ingerida com grandes quantidades de refrigerantes (ricos em açúcar), que muitos restaurantes servem gratuitamente como forma de incentivo. Tudo isto resulta num acumular de calorias no organismo que não são utilizadas, sendo, por isso, armazenadas sob a forma de gordura.
Os problemas não ficam por aqui, pois a “comida de plástico” não se limita a oferecer-lhe uns “quilos” a mais. Eric Schlosser, jornalista, escritor e investigador americano, revela no seu livro (Fast Food Nation: The Dark Side of the All-American Meal, 2003) que a fast food é também um enorme perigo para a saúde.
Se juntarmos a tudo isto a falta de exercício físico, o problema da obesidade é agravado. A maioria das pessoas que gosta de fast food não tem consciência de que a obesidade não é apenas “uma monstruosidade”, mas sim um enorme factor de risco para um alargado número de doenças mortais, como a hipertensão arterial, diabetes, colesterol elevado, problemas cardíacos e até mesmo diversos tipos de cancro.
Estudos científicos revelam que alimentos com elevados níveis de calorias e ricos em gordura, açúcar refinado e sal, reconfiguram as hormonas presentes no nosso organismo de modo a desejarmos este tipo de comida e querermos sempre mais, fazendo com que a fast food se torne viciante – isto contribui para que se torne viciado neste tipo de comida e a consuma de modo incontrolado, mesmo tendo noção dos prejuízos para a saúde que daí podem advir, pois quanto mais consome, mais difícil se torna optar por comida saudável.
Apesar de alterar os hábitos alimentares e deixar de consumir fast food frequentemente não ser uma tarefa fácil, é possível. Para começar, pode-se ir reduzindo sucessivamente a frequência com que se consome este tipo de comida e ir comendo mais comida caseira com muitos vegetais e alimentos frescos. Lentamente, o seu gosto mudará e o organismo responderá com nova energia. Isto não significa que tenha que erradicar a fast food da sua alimentação, apenas que não fica dependente dela.
Fast food: os seus perigos e como os reduzirMorgan Spurlock, realizador do documentário “Super Size Me”, decidiu colocar o seu próprio corpo à prova com o intuito de avaliar a veracidade das questões associadas à fast food. Morgan iniciou uma viagem pelos EUA, durante um mês, alimentando-se apenas no McDonald’s (três refeições por dia). Só poderia consumir o menu grande caso lhe fosse oferecido e também teria que comer, pelo menos uma vez, de cada item do menu.
Antes de se iniciar a viagem, foram realizados inúmeros exames médicos que revelaram que tudo estava perfeito com a sua saúde. No entanto, à medida que a sua experiência foi decorrendo, o seu estado de saúde foi sofrendo alterações drásticas. Morgan começou a sentir dores no peito, dificuldade em respirar, a entrar em depressão, a sofrer de insónias, com tremores e o seu fígado deixou de funcionar. A juntar a isto, Morgan Spurlock ganhou 12 quilos.
O que se passou para que a comida provocasse este efeito?
Acontece que, para além de ser conveniente para nós, a fast food também o é para quem a produz, devido à produção em massa e barata dos seus ingredientes. O problema é que, para nos ser conveniente, acaba por ser sacrificada a nível do seu valor nutricional, sendo ainda adicionadas grandes quantidades de açúcares, gorduras e sal para que as sensações proporcionadas sejam as desejadas. É, no entanto, sabido que tais ingredientes em excesso provocam consequências. Por exemplo:
  • As gorduras usadas neste tipo de produtos,  as chamadas gorduras saturadas, aumentam os níveis de colesterol, provocando coágulos nas artérias e aumentando o risco de doenças coronárias;
  • O excesso de açúcares na “comida de plástico” é motivo de grande preocupação, não só pelo reconhecido impacto na saúde dentária, mas também pela sua ligação direta à obesidade, às doenças cardíacas e ao cancro;
  • O sal em excesso é responsável pelo aumento da tensão arterial e aumenta o risco de ataques cardíacos.
A experiência de Morgan Spurlock levou-o a uma exposição constante a grandes quantidades destas comidas de alto risco, não sendo, por isso, de estranhar os graves problemas de saúde originados. É, no entanto, motivo de alerta a consciência de que tais problemas podem ocorrer num período de tempo tão curto
Tal como já foi referido acima, não se trata de excluir a fast food das nossas vidas, é apenas uma questão de reduzir a nossa dependência desse tipo de alimentos, devendo-nos focar numa dieta saudável.
Quando é saudável comer fast food?
Raramente é saudável comer “comida de plástico”, precisamente por este tipo de comida ser baixa em nutrição e rica em gordura, sódio e calorias. Assim sendo, o segredo é mesmo a moderação, evitando, assim, que se torne num hábito. Para além disto, apesar de ser um desafio encontrar uma refeição saudável e bem equilibrada na maioria dos restaurantes de fast food, há sempre escolhas mais saudáveis do que outras.
Aprenda a fazer escolhas mais saudáveis em restaurantes de fast food
Para que se torne mais fácil fazer escolhas mais saudáveis em restaurantes de fast food, deve preparar-se antes, consultando os guias nutricionais dos menus dos seus restaurantes preferidos para melhor avaliar as suas opções. Pode também optar por restaurantes que incidam sobre alimentos naturais e de alta qualidade.
Caso não tenha tempo para se preparar, o bom senso pode ajudá-lo a que a sua refeição se torne mais saudável. Por exemplo, se escolher uma salada, convém optar por vegetais frescos e grelhados e deixar de lado os fritos e os molhos com gordura.
Dicas para escolhas saudáveis
Fast food: os seus perigos e como os reduzir
Seleccione o menu cuidadosamente, prestando atenção às descrições. Pratos que sejam rotulados de “frito”, “cremoso”, “crocante”, “gratinado”, “com molho”, entre outros, são normalmente ricos em calorias, sódio e gorduras não saudáveis. Deve optar por pratos com carnes magras e mais vegetais.
Beba água à refeição, pois os refrigerantes são uma enorme fonte de calorias.
“Dispa” a sua comida. Ao escolher determinado prato, tenha em atenção aquilo que o compõe que poderá evitar e colocar de parte. Por exemplo, peça uma sandes de frango grelhado sem maionese. Pode pedir os molhos à parte, controlando, assim, a quantidade que consome.
Encomenda especial. Muitos itens do menu seriam saudáveis se não fosse pela forma como eles foram preparados. Peça para que os pratos sejam servidos sem molhos e com legumes e utilize azeite e vinagre nas saladas. Se o alimento for frito ou cozido em azeite/manteiga, peça para que seja grelhado ou cozido a vapor.
Coma conscientemente. Preste atenção ao que come, saboreie, mastigue cuidadosamente e evite comer a correr. Comer conscientemente também significa parar antes de se sentir totalmente satisfeito, na medida em que o organismo leva tempo a registar o que foi consumido. Comer de forma consciente permite um maior relaxamento, contribuindo para uma melhor digestão e uma maior satisfação.
Dicas para saber o que evitar
Fast food: os seus perigos e como os reduzir
Porções exageradas. Prefira pequenas quantidades, pois uma refeição de fast food chega facilmente às 1000 calorias. Prefira a salada às batatas fritas e nunca opte por menus grandes. Muitas vezes uma dose dá para duas refeições, por isso, pode optar por levar metade para casa e guardar para o jantar.
Sal. A “comida de plástico” já tem bastante sal, por isso, não piore a situação adicionando ainda mais.
Bacon. O bacon tem muito poucos nutrientes e é rico em gordura e calorias. Tente substituí-lo por cebola, alface, tomate ou mostarda para adicionar sabor sem gordura.
Buffets. É de evitar, pois existe a tendência de comer mais para garantir que consome o valor gasto. Caso opte por um buffet, prefira as frutas frescas, saladas com azeite e vinagre, pratos grelhados e legumes cozidos a vapor. Antes de se levantar para comer novamente, aguarde cerca de 20 minutos para se certificar que, realmente, ainda tem fome.

Fontes:
  • Health Food Guide – “Fast Food Effects on Health“
  • Fitness – “Os perigos escondidos da Fast Food”
  • HelpGuide  – “Healthy Fast Food”
Novos Rurais - Farming Culture Feito com ❤ por 230.000 amantes da natureza. https://www.facebook.com/novosrurais.farmingculture

Comentários

  1. Sra. GIUSEPPINA ELEONORA

    Olá a todos

    Deixe-me apresentar-me senhora GIUSEPPINA ELEONORA, especial com algum fundo para a satisfação das necessidades da população italiana, espanhol ou português, etc... e isso por causa de meu fígado bom então não é grave não se preocuparam em ler-me. São vistos, infelizmente, que negou reivindicações pelos bancos por várias razões. Você é especial, honesto e de boa índole. Você tem uma renda que pode ocorrer em pagamentos mensais. Outras preocupações são um indivíduo com um capital de cerca de 250.000 €, o que vou disponibilizar para você na forma de empréstimos reembolsáveis por um período máximo de 20 anos a uma taxa que varia de 2%, dependendo da quantidade solicitada e a duração do reembolso. Você será solicitado a fornecer certas partes.
    Proponho-me sem qualquer obrigação de sua parte, a sua situação.
    Você está procurando um empréstimo: imobiliário, emprego, consumo, resgate dos créditos.
    Por que não fazê-lo com um profissional que tem condições preferenciais.
    Estudar em conjunto sua situação e ver o que podemos fazer.
    Também estamos interessados em investir nas seguintes áreas
    * Agro-indústria
    * Construção (industrial, comercial, residencial)
    * Turismo e restauração
    * Mina e exploração de petróleo
    * Pequenas e médias empresas
    * Transporte (rodoviário, mar e ar)
    * Empréstimo de financiamento a curto, médio e longo prazo.
    (giuseppina.eleonora01@gmail.com)
    Há técnicos em todas as áreas, bem como, pronto para ser investidos recursos financeiros. Tente sua sorte escrevendo para mim.
    Obrigado por sua compreensão e boa vontade em contato no email: giuseppina.eleonora01@gmail.com se você está realmente em necessidade. Posso confirmar com certeza que não tem nada que pagar antes de receber o contrato de empréstimo assinado pela precisão.

    Obrigado mais uma vez... giuseppina.eleonora01gmail.com

    Saudações. GIUSEPPINA ELEONORA.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário